Judeus convertidos a Cristo vencem processo contra “fariseus”

Judeus convertidos a Cristo vencem processo contra

Uma congregação cristã-judaica em Ashdod venceu um processo judicial contra a organização anti-evangelização israelense Yad L’Achim.

Foi emitido uma ordem de restrição pelo tribunal contra membros do Yad L’Achim por assediar os judeus convertidos em Jesus e tentar impedi-los de participar dos cultos em Beit Hallel, lar de cerca de 350 fiéis.

“Eles nos perseguiram por tanto tempo. Entramos com dezenas de denúncias na polícia e nada aconteceu; por fim, fomos a um tribunal ”, disse Ludmila Zakharchuk, advogado de Beit Hallel ao Kehila News. “Vencemos o processo judicial apenas alguns dias atrás.”

Beit Hallel afirma que tem sido assediado pelo grupo anti-evangelismo desde 2011 e o assédio aumentou em 2018, quando um grupo de judeus haredi vandalizou o centro de culto messiânico.

Convenção contra a evangelização

“Em janeiro de 2020, eles organizaram uma grande convenção contra a evangelização aqui em Ashdod com mais de 30 rabinos. Posteriormente, começaram a vir à nossa congregação para nos assediar toda sexta-feira, quando temos nossas reuniões”, disse Zakharchuk ao Kehila News.

O site de Yad L’Achim relata que cerca de 500 judeus Haredi participaram da conferência em janeiro para “aumentar a conscientização sobre a atividade missionária destrutiva e permanecer unidos em medidas contrárias”.

Além disso, o vice-prefeito do rabino Ashdod Yechiel Weingarten elogiou Yad L’Achim por seus esforços para, segundo ele, “purificar a cidade” dos judeus cristãos.

Zakharchuk disse que o assédio de Yad L’Achim aumentou após a convenção.

“No começo, logo após a convenção, eram talvez 10 pessoas. Eles fizeram barulho, fizeram oração pública e impediram que as pessoas entrassem em nosso prédio ”, disse Zakharchuk.

“Então eles aumentaram a quantidade de pessoas que vieram nos assediar para 30, e então começaram a enviar cargas de ônibus de pessoas de Bnei Brak com 50 ou mais pessoas. Em Purim, eles vieram com alto-falantes e folhetos distribuídos. Ficou cada vez pior, com ruídos especificamente destinados a interromper nosso serviço. Isso continuou até o bloqueio do coronavírus. O assédio continuou depois que Israel suspendeu as restrições de vírus.”

“Eventualmente, eles apareceram novamente, distribuindo panfletos, colocando pôsteres de Yad L’Achim, perseguindo e tirando fotos das pessoas que freqüentam a congregação”, disse Zakharchuk. “Devido às limitações da coroa, operamos a escola sabatina para as crianças do lado de fora, no estacionamento. Eles vieram e os perseguiram também, tiraram fotos deles, distribuíram folhetos – para crianças.”

Portanto, Zakharchuk disse que a congregação foi forçada a levar o caso a tribunal porque a polícia israelense fez pouco para proteger a congregação.

“Nenhuma sinagoga ou mesquita aceitaria que as pessoas que se opunham à sua fé viessem e as perseguissem assim. É escandaloso”, disse Zakharchuk, acrescentando que a congregação pede que outros cristãos orem por eles enquanto se envolvem em guerras “espirituais” e legais.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui